A estiagem retornou ao Cunene e a fome já ameaça mais de 300 mil pessoas.

A situação é dramática, segundo o Bispo de Ondjiva, dom Pio Ypunhate, em declarações a Emissora Católica de Angola.

“ Os meninos estão a abandonar a escola para levar o gado para as localidades de fronteira com outras províncias”, disse, nesta 2ª Feira.

A informação foi confirmada ao  estatal  “Jornal de Angola”, por telefone, pelo governador António Didalelwa.

“Estamos preocupados com a situação. Há falta de alimentos, água para as pessoas e para o gado. Estamos a trabalhar num plano para conseguirmos ultrapassar essas dificuldades”, referiu o governador.

Na comuna de Ombala yo Mungu, município de Ombadja, os Serviços de Protecção Civil e Bombeiros procederam, na quinta-feira passada, à distribuição de água potável à população afectada pela seca. Foram distribuídos 250 mil litros de água, transportada por camiões cisternas, que serviram para minimizar a carência na região.

“A população dessas localidades está a passar momentos muito difíceis, porque há dois anos que praticamente não chove nas suas regiões, facto que está a prejudicar a economia das famílias, cuja base de subsistência é a agricultura e a criação de gado”, lamentou o governador.

O secretário de Estado do Interior para área de Serviços de Protecção Civil, Eugénio Laborinho, garantiu que os serviços de protecção, em paralelo com outros ministérios, “tudo estão a fazer para acudir às populações, com distribuição de água, alimentos e ‘kits’ de sobrevivência compostos por cobertores, utensílios de cozinha, moto-bombas e outros”.

No próximos dias, acrescentou Eugénio Laborinho, vão ser enviados para a província do Cunene os alimentos que já estão nos armazéns.

“O governo provincial já tomou as primeiras providências e a comissão composta pelos Ministérios da Assistência e Reinserção Social e Agricultura está a envidar esforços no sentido de mandar alimentos para aquela população assolada pela seca”,  disse.

Eugénio Laborinho informou ainda que, apesar do Cunene ser a província mais afectada neste momento, o problema da seca já afectou também as províncias do Namibe e parte de Benguela.

A Caritas está também disponível a ajudar as vítimas da nova estiagem no Cunene, realizando seminários de capacitação sobre medidas de combate aos riscos e desastres naturais no seio das comunidades rurais.

Entre duas a três pessoas são detidas sempre que um avião da Taag chega do Brasil.

Segundo a polícia angolana, citada pela TPA “ carregam no organismo cápsulas contendo drogas”.

As “mulas” arriscam a vida em troca de dinheiro.

Dos traficantes detidos no mês passado, dois foram submetidos à operação de emergência para retirar as cápsulas, um dos quais morreu.

A informação foi prestada à imprensa durante a apresentação de um  grupo de marginais que praticava vários tipos de crimes nos sete municípios de Luanda.

Fonte/TPA

A tradicional peregrinação ao santuário da Muxima, terminou, este domingo, 5/8, com fortes apelos à paz e à reconciliação, numa Missa solene presidida pelo Bispo da diocese de Cabinda, Dom Filomeno Vieira Dias.

O certame juntou milhares de fiéis, durante dois dias, em devoção e oração à mamã Muxima.

Na sua Homilia, o Igualmente Vice-presidente da CEAST, Dom Filomeno Vieira Dias, começou por realçar a figura de Maria na Igreja, presente no rosto da mamã Muxima, a qual, acompanha a nossa história em todas suas etapas.

“Angola é uma nação de raízes cristãs, edificada sobre os alicerces do cristianismo, não como uma imposição, mas como adesão livre e espontânea”, frisou Dom Filomeno Vieira Dias.

Os presentes ao certame, no dizer do Prelado, não são uma multidão de ignorantes, de alienados ou frustrados.

“A fé em Cristo cruscificado e ressuscitado traça o percurso interior dos nossos avós e dos seus sucessores nas gerações contemporáneas que somos nós”, acrscentou.

Nos últimos tempos, as perigrinações à Muxima têm sempre um lema concreto,  como proposta e mcompromisso. Este ano, em sintonia com o plano Pastoral da CEAST, escolheu-se como lema “A Família e Reconciliação”, por formas a beneficiar o éxito das Eleições Gerais de 31 de Agosto.

No acto, o Kota Kahango – diga-se Dom Anastácio Kahango, Bispo Auxiliar de Luanda – foi lembrado com uma famosa frase irónica à Muxima “quando na porta de um consultório médico há sempre bicha é porque chegou a notícia de que ali está a acontecer uma coisa boa”, (ovação).

A benção e graça do Santuário da Muxima consistem no facto de ninguem vai sozinho e nem volta de mãos vazias. Na Muxima há actos de Deus a favor dos homens.

Mamã Muxima é a mulher do Cenáculo, no meio dos Discipulos, da Igreja nascente. Ela permanece na Muxima (Quissama) cerca de meio milénio, concedida por Deus para defender os filhos desta terra (Angola), como sinal de esperança e ressurreição espiritual.

Santa Sé contra obstáculos à fé cristã em Angola.

O representante do Vaticano no país citou o fenómeno da feitiçaria como um dos principais males ao desenvolvimento do povo cristão.

Numa missa campal, no último domingo, em Mbanza Congo, dom Novatus Rugambua informou que os bispos da conferência episcopal de Angola e São-Tomé (Ceast) receberam da Santa Sê indicações sobre estes males que afectam a sociedade angolana e que devem ser superados pelos cristãos e as comunidades.

Além da feitiçaria, citou a poligamia, o amigamento, o oportunismo do alembamento e a questão das heranças, como atitudes nocivas à vida e a harmonia família.

“ Reportamos isto como grande obstáculo à fé, sobretudo neste ano em que a igreja é convidada pelo Papa a atravessar a porta que nos coloca no caminho da fé e nos leva a reforçar a crença num único Deus que é amor”, realçou.

O núncio apostólico falou também sobre a resolução de conflitos familiares e comunitários, sublinhando que o caminho é a reconciliação, justiça e a paz, tendo apelado no sentido de todos os cidadãos servirem de agentes de reconciliação e da promoção da justiça e da paz.

“ A paz e a harmonia são possíveis entre nós se soubermos ouvir a voz de Deus e obedecermos ao espírito de Cristo”, acrescentou.

O representante do Vaticano em Angola cumpre, desde sexta-feira última, uma visita pastoral de cerca de duas semanas à diocese de Mbanza Congo, destinada ao reforço das comunidades católicas locais. Já se deslocou aos municípios do Tomboco e Nzeto.

Nesta segunda-feira desloca-se ao município do Kuimba, enquanto terça-feira vai reunir-se com o governador local, José Joanes André, para no dia seguinte rumar para o município do Soyo, última paragem da sua visita, na companhia do bispo local, dom Vicente Carlos Kiaziku.

Homenagem aos antigos missionários

“Angola orgulha-se e a humanidade sente o dever de proteger esta memória como seu património” – sublinhou o Prelado na homilia de domingo.

O representante do Santo Padre homenageou os antigos missionários que se notabilizaram na evangelização da região.

Um reconhecimento especial aos reis Nzinga Nkuvu ( baptizado com o nome de Dom João I) e ao seu filho mais velho e sucessor Mbemba-a-Nzinga ( dom Afonso), que o prelado considerou “ homens e cristãos que ficarão para sempre na memória da humanidade e da evangelização de Angola e da África subsaariana.

Angola está à beira de eliminar a poliomielite.

A notícia foi avançada  esta terça-feira à Agência oficial de notícias, ANGOP, pela directora provincial de Luanda da Saúde, Rosa Bessa.

A responsável exemplificou que a província de Luanda está desde 2011 sem registar casos da doença.

Rosa Bessa falava a propósito da nova campanha de vacinação contra a pólio, que prevê vacinar mais de um milhão e oitocentas crianças, menores de cinco anos de idade, residentes em Luanda,  entre os dias 10 a 12 deste mês.

Neste sentido, apelou  ao engajamento das administrações municipais, vacinadores e outros técnicos envolvidos.

“Aos pais apelo que levem os filhos aos postos fixos criados ou que permitam que os vacinadores entrem em suas casas, para darem a gora milagrosa às crianças, pois só assim estarão a protegê-las”, disse.

Na última campanha, realizada em Dezembro de 2012, foram imunizadas um milhão 701 mil e 386 crianças.

A poliomielite ou paralisia infantil é uma doença viral altamente contagiosa que afecta principalmente crianças pequenas, causando deformações no corpo.  O vírus é transmitido através de alimentos e água contaminados e se multiplica no intestino, invadindo o sistema nervoso.

Muitas crianças infectadas não apresentam sintomas, mas continuam a contaminar outras, sendo a vacinação a única forma de prevenção.

A partilha entre cristãos de boas práticas da caridade foi defendida recente pelo Seminário regional da Cáritas.

O evento que decorreu na cidade Malanje reuniu 32 participantes das dioceses de N’Dalatando, Malange e Uíje.

Os participantes abordaram temas como: “Missão e Estatutos da Caritas, no âmbito do Plano Estratégico parao quinquénio 2013-2017.

O encontro recomendou o reforço da educação à caridade cristã organizada.

Um objectivo que requer “criar espaço de partilha das boas práticas a nível das paróquias no que concerne a pastoral social dentro da Igreja”, segundo as recomendações.

Na Igreja Católica, a paróquia é a primeira instância da vida comunitária organizada.

Para educação à caridade cristã organizada, impõe-se, por isso, o serviço social no espaço paroquial.

A onda de desmaios voltou a aterrorizar a cidade de Ndalatando, capital da província do Kwanza-Norte.

Várias escolas enfrentam o problema desde segunda-feira última.

O medo instalou-se na comunidade estudantil, causando absentismo em muitas escolas.

O caso voltou a ocorrer esta quarta-feira na escola São João Baptista, onde desmaiaram três alunas.

Segunda-feira, 22/4, o pânico invadiu o complexo escolar Santa Maria Goretti, em Ndalatando, onde mais de 20 raparigas do 1º ciclo do ensino secundário, desmaiaram, em plena sala de aulas.

Os desfalecimentos surgiram quando as adolescentes assistiam à aula de matemática, segundo fez saber uma das vítimas dos desânimos.

O pânico, o temor e aflição tomou conta dos pupilos bem como do corpo docente daquela instituição do ensino comparticipado, sob tutela das Irmãs Domicanas de Santa Catarina de Sena da Igreja Católica naquela cidade capital do Kwanza Norte. Com o sucedido, as aulas ficaram interrompidas no período diurno desta segunda-feira.

E, José Hoti, administrador hospitalar da maior unidade sanitária daquela pequena cidade, garantiu que a situação está controlada e as vítimas estão todas fora de perigo.

De acordo com o médico, “trata-se apenas de uma questão de síndrome-estérico”.

De recordar que esta vaga de desmaios ameaçou várias províncias do país nos dois últimos anos.

A proposta do Banco Nacional de Angola, BNA, foi aprovada esta quinta-feira, 9, pela Comissão Permanente do Conselho de Ministros.

O instrumento faz parte de um conjunto de medidas previstas nas reformas que o BNA tem vindo a implementar no sistema financeiro.

O objectivo é adequá-lo às normas internacionais e à gestão de riscos, segundo o BNA.

O governador do Banco Nacional de Angola (BNA), José de Lima Massano, assegurou terem sido revistas, na reunião, as regras para o licenciamento de novas instituições financeiras bancárias, com destaque para o tempo máximo de seis meses como limite para a emissão de uma licença de autorização de funcionamento.

“As novas regras impõem que o banco central deve pronunciar-se no período máximo de seis meses, tempo que pode ser estendido para 12 meses”, frisou o governador do BNA.

Ressaltou que em caso de não haver uma resposta nesse período o processo é tacitamente declinado.

Afirmou que aprovação da proposta do BNA é apenas um ajustamento ao nível de risco para as instituições que operam no mercado bancário angolano.

O Apostolado Nas Redes Sociais

Twitter O ApostoladoFacebook Jornal O Apostolado

Apostolado Divisoria


Apostolado Divisoria


Apostolado Divisoria


Apostolado Divisoria