O que faz, concretamente, um Bispo Emérito?

O que faz, concretamente, um bispo emérito? Dedica-se ao estudo e a algumas tarefas pastorais?

D. Eurico Dias Nogueira (EDN) – Um bispo emérito não tem um serviço próprio porque ficou dispensado do serviço que tinha, mas continua disponível para ajudar. Faço isso com frequência quando o arcebispo de Braga me solicita.

AE – No ponto de vista laboral, a Arquidiocese de Braga é muito eclética. Nunca teve dificuldade no diálogo? Entende-se com o pescador e também com o industrial?

EDN – Nunca tive dificuldades. Nesta região, os homens do mar são muito religiosos, mais do que «lá para baixo». Aqui, as paróquias junto do mar têm muita atividade e a paróquia de Caxinas é uma delas.

AE – Homens que têm sempre o perigo junto deles porque com o mar não se brinca.

EDN – Nessa paróquia tem morrido muita gente no mar.

AE – O papel do pastor é ajudar e reconfortar essas famílias que viram desaparecer no mar os mais próximos?

EDN – Escutar é fundamental, depois dou-lhes um conselho amigo.

 AE – Para além da experiência da escuta e de conselheiro, D. Eurico Dias Nogueira tem uma pena fácil e escorreita, visto que tem publicado muitos livros.

EDN – Já publiquei vários. Para além disso, também trabalho no Tribunal Eclesiástico – como juiz de segunda instância – porque Braga, como é metrópole, tem dois tribunais: um de primeira instância e outro de segunda. Ano sim e ano não, também tenho cursos de pós-graduação para juristas e advogados.

 AE – Um bispo emérito tem outra liberdade de espírito e outra disponibilidade?

EDN – Como não se tem tanta responsabilidade, a pessoa sente-se mais à vontade e tem outra disponibilidade para refletir.

 AE – Sempre gostou de viajar?

EDN – Sempre. Viajei muito… Mesmo quando estava em Coimbra, como padre.

 AE – Quando chega a uma cidade nova de um país, o que procura? A arte e a história ou as pessoas?

EDN – Quando chegava, ia visitar as comunidades dos portugueses. Aproveitada também para visitar locais emblemáticos

 AE – Qual o sítio que o marcou dos vários pontos do globo onde esteve?

EDN – Roma é um ponto de referência porque vivi lá, três anos, quando estudava. Também estive várias vezes em Paris, com muito gosto… Londres nem tanto.

 AE – Sente-se mais próximo da cultura francófona ou anglo-saxónica?

EDN – Francófona.

 AE – Ainda é do tempo que o francês era um idioma mais generalizado?

EDN – No seminário, estudei francês e não me atrapalhava. Agora estuda-se inglês, mas no meu tempo não se estudava esta língua. Assim, nunca aprendi o inglês. Ainda tentei várias vezes, mas era diferente.

 AE – Não aprendeu inglês, mas estudou o latim?

EDN – Latim e grego (risos)… Não falava o grego como o latim, mas traduzia-o com toda a facilidade.

 AE – Com a ausência do inglês não se pode considerar poliglota?

EDN – Senti falta do inglês. Um dia, quando estava para sair de Angola e a Santa Sé queria que fosse para a África do Sul acompanhar os portugueses, disse: “Não vou porque não falo as duas línguas (africander e inglês)”. Se soubesse inglês talvez tivesse ido para a África do Sul. E gostava de ter ido…

 AE – Quando esteve em África, mais concretamente em Vila Cabral algumas pessoas diziam que D. Eurico Dias Nogueira era «comunista».

EDN – Comunista? Ouvi dizer isso… (risos)

 AE – Ouviu?

EDN – Sim, mas não sei onde se baseavam. Criticava algumas posições do governo e não dizer bem do governo era, automaticamente, «ser comunista». Era um exagero. São histórias sem fundamento…

 AE – Todavia, as críticas ao governo tinham fundamento?

EDN – O governo podia ter encaminhado as terras de África para a independência de outra forma, tal como o fez no Brasil. Podíamos ter feito de Angola e Moçambique dois «brasis». Era um bem para Portugal e a maior parte dos portugueses continuavam lá. O governo não teve capacidade para isso.

 AE – Por falta de visão estratégica?

EDN – Havia muitos interesses económicos e, esses interessados, não queriam a independência. Queriam manter aquela situação e o governo não teve coragem para se opor dizendo: “Não, o caminho é este”. Acredito que havia pessoas no governo que se aperceberam que as coisas não estavam bem encaminhadas.

AE – Inclusive, chegou a escrever cartas a membros do governo onde alertava para a situação?

EDN – Enviei…

 AE – Mesmo para António de Oliveira Salazar?

EDN – Tive dois contactos com Salazar, mas para o ministro do Ultramar é que contactava muito.

 AE – Adriano Moreira

EDN – Sim. E também alertei outros.

 AE – Como estava no terreno conhecia a realidade como ninguém?

EDN – Uma vez acusaram-me… O ministro fez-me chegar a informação. Uma vez, numa ida a Roma, passei por Lisboa e pedi uma audiência ao ministro do Ultramar. Ele leu-me uma carta que tinha recebido de Moçambique, onde eu era atacado. Leu a carta, mas escondeu o nome do autor e local. Percebi logo que aquilo vinha de um capitão… Disse-lhe: “Essa carta «não tem pés nem cabeça»”.

 AE – Para além da prática, visto que estava em África, também tinha a teoria porque fez uma tese sobre as missões católicas nas colónias.

EDN – Talvez, por isso, é que lá fui parar. Quando me mandaram (bispo e reitor do seminário) para Roma estudar disseram-me: “Não vem de Roma sem o doutoramento feito”. E continuaram: “Faça o melhor que puder, mas ao fim de três anos tem de vir”.

Como o doutoramento era sobre Direito Canónico, aconselham-me a ir à Concordata ver temas. O professor de Direito Concordatário, um espanhol, disse-me para fazer sobre o «Acordo Missionário» porque ninguém tinha olhado para ele. Era um documento original porque a Santa Sé nunca tinha assinado um documento assim…

 AE – Foi a luz para tese de doutoramento?

EDN – Comecei a trabalhar nela e, em três anos, não pus os pés fora de Itália. Nunca vim a Portugal, mas tinha o trabalho feito e foi aceite como tese de doutoramento. Não foi brilhante porque foi feito muito à pressa.

 AE – Os estudos ocuparam muito do seu tempo, mas sabe-se que fazia muitas caminhadas a pé e era um crítico da comida na instituição onde estava alojado.

EDN – No primeiro ano passei fome. Só nos davam uma refeição por dia… Íamos para as aulas quase em jejum. Fazíamos meia hora a pé até à Faculdade. Muitas vezes chegávamos ao colégio exaustos.

 AE – Nunca pensou em desistir?

EDN – Não. De dezembro até outubro só tomávamos uma refeição por dia.

 AE – Este foi o pior período da sua vida do ponto de vista da alimentação? Mesmo incluindo África?

EDN – Sim. Em África não tive dificuldades.

 

Pages: 1 2

O Apostolado Nas Redes Sociais

Twitter O ApostoladoFacebook Jornal O Apostolado

Apostolado Divisoria


Apostolado Divisoria


Apostolado Divisoria


Apostolado Divisoria